Dr. Antonio Souza | Urologista

Tratamentos

Envelhecimento Masculino
13988614_rGBtcNa literatura médica está claramente estabelecido: o envelhecimento do homem é acompanhado de uma progressiva diminuição do número de seus andrógenos, entre os quais destaca-se a testosterona. O detalhe, é que a deficiência de testosterona afeta o corpo humano como um todo, e não apenas a sexualidade do indivíduo. Está mais do que provado e comprovado que todas as células do organismo precisam desse poderoso hormônio, e a sua escassez ou ausência é associada a quase todas as doenças degenerativas.

Sua majestade,  a testosterona,  um esteróide androgênico, ou melhor, o hormônio masculino mais importante, é produzida nos testículos através das células estimuladas por hormônios da hipófise, uma glândula que reside no cérebro.

A importância da testosterona é ampla. A começar pela puberdade, quando desempenha um papel relevante. Senão vejamos:a testosterona ativa a produção de sêmen. Faz também que o pênis cresça, os pêlos do corpo aumentem, a voz engrosse e, também auxilia no desenvolvimento da próstata, uma glândula do sistema genital masculino que ajuda a produzir o líquido seminal, o líquido que ejaculado protege o espermatozóide dentro da vagina e na sua viagem ascendente até o útero e trompas.

Ao longo dos anos tal hormônio colabora também para a manutenção da massa muscular, do tecido ósseo e até mesmo para o bom humor do sujeito. Porém, graças ao mau uso de produtos à base de testosterona – como esteróides anabolizantes – nos últimos tempos este hormônio vem sendo tratado como vilão, o que não é realidade. A testosterona é, como visto, essencial para a auto-estima do homem. Na terapia de reposição tem papel crucial no programa anti-envelhecimento. Em suma, a testosterona é capaz de reverter ou mesmo retardar o fenômeno da “andropausa”.

Falando um pouco da andropausa, na verdade este fenômeno é conhecido de várias maneiras mundo afora. No Brasil, tecnicamente é melhor chamado de DECRÉSCIMO ANDROGÊNICO DO ENVELHECIMENTO MASCULINO, respondendo pela sigla DAEM. Mas o nome não importa muito, e sim a relevância do processo.

Neste processo, parece que existe um fenômeno combinado, ou seja, uma alteração na forma dos hormônios estimuladores da secreção de testosterona pelos testículos, assim como uma menor capacidade de síntese de testosterona pelos testículos propriamente dito.  Se fosse só causado pela insuficiência dos testículos seria chamado de Hipogonadismo Primário.

Mas, o fato é que a DAEM ou ANDROPAUSA é uma condição real e incontestável. Quando a concentração de testosterona se associa a alguns sintomas específicos – uma série de mudanças físicas e de comportamento – é sinal de que a “ menopausa masculina” se instalou no indivíduo. Aí vale a pena procurar atendimento médico.

 
feito com
icone criação de sites
Google